Procurar  
  • principal
  • > notícias
  • como chegar à Fundação >>

    eventos: programação da Fundação >>

    receba o informe quinzenal por e-mail >>

    serviços oferecidos pela Fundação >>

    Serviço de Preservação da FCRB: 40 anos de atuação

    Clique na foto para ampliar

     

    Em 1979 foi inaugurado na Fundação Casa de Rui Barbosa (FCRB), com o apoio da FINEP, o Serviço de Preservação (SEP). O setor tem como objetivo a execução das atividades de conservação e restauração de livros, documentos e obras de arte sobre papel e a encadernação do acervo da instituição. Durante os 40 anos de sua existência, o SEP se desenvolveu juntamente com o ramo e manteve a atualização de equipamentos necessários para as demandas dos acervos. Além disso, também são constantes as visitas técnicas de outras instituições e o desenvolvimento de trabalhos científicos sobre preservação e restauração.

    O setor é dividido em duas áreas: seca e úmida. Após uma análise dos arquivos enviados, é feito, através de testes, um diagnóstico e iniciado o tratamento com os componentes necessários na área adequada. O museólogo e tecnologista da FCRB Douglas Gualberto diz que os profissionais prezam por fazer uma restauração mantendo as técnicas originais utilizadas nas obras. "O livro, por exemplo, não fica novo, mas preservado. Não se pode perder a originalidade", explica acrescentando que para isso é necessário conhecimento em Química, Física, Biologia e História da Arte.
     
    Antes da criação de uma área de restauração dentro da própria FCRB, o trabalho de encadernação dos livros, era realizado por uma empresa terceirizada. Essa situação fez com que a originalidade das capas e sintonia entre livros de uma mesma coleção fossem perdidas. Por isso, o chefe do SEP, Edmar Gonçalves, passou a desenvolver um trabalho de pesquisa de busca pelas capas originais dessas obras que destoam no acervo. No caso de não ser localizada a composição original, é seguido o padrão geralmente encomendado pelo patrono. "Se é para seguir um padrão, que seja o que o Rui gostava", acrescenta. 
     
    O Serviço de Preservação utiliza também equipamentos de microfilmagem, que hoje vem sendo substituída pela digitalização. Uma curiosidade é a utilização apenas de técnicas reversíveis em todos os procedimentos do setor. Com o constante desenvolvimento tecnológico e científico, há o cuidado para que, no caso do aparecimento de um tratamento melhor, a existência do acervo possa ser prolongada, tendo em vista que ele é uma das bases fundamentais da instituição. 
     
    Imprimir
    Voltar ao alto


    Veja também
    > História e culturas urbanas | Publicada em 18/05/2018
    > Migrações Internacionais | Publicada em 16/05/2018
    > Curso "Gêneros Textuais: definição e funcionalidade no trabalho com arquivos literários" | Publicada em 10/05/2018
    > Jardins & Paisagens | Publicada em 10/05/2018
    > Pensar a imprensa | Publicada em 09/05/2018
    > maio | Publicada em 03/05/2018
    > Jardim em Foco: Visitas mediadas ao jardim histórico do Museu Casa de Rui Barbosa | Publicada em 02/05/2018
    > Perspectivas em conservação preventiva | Publicada em 30/04/2018
    > Memória & Informação | Publicada em 19/04/2018
    > A censura à prova do tempo | Publicada em 18/04/2018
    > Memória & Informação | Publicada em 17/04/2018
    > IX Seminário Internacional de Políticas Culturais | Publicada em 13/04/2018
    > Mostra "150 Anos de Nascimento de Nestor Victor" | Publicada em 12/04/2018
    > Mostra "25 anos da morte de Américo Jacobina Lacombe" | Publicada em 27/03/2018
    > IV Colóquio de Economia Política da Comunicação e da Cultura | Publicada em 13/03/2018
  • informe
  • |
  • perguntas frequentes
  • |
  • termos de uso
  • |
  • mapa do site
  • |
  • sobre o site
  • |
  • contato
  • |