Procurar  
  • principal
  • > aconteceu em 2018
  • > abril
  • Mostra Leandro Gomes de Barros: o poeta do sertão

    Clique na foto para ampliar

    :: Atenção: A mostra em homenagem ao centenário da morte de Leandro Gomes de Barros continua até 10 de abril,  das 9 às 18h, no hall do edifício-sede. Entrada franca.

    No dia 5 de março, o Centro de Memória e Informação, da Fundação Casa de Rui Barbosa, realizará homenagem alusiva ao centenário da morte do poeta Leandro Gomes de Barros. A programação será composta por mesa-redonda, mostra sobre o autor e atividade para o público infantil. A entrada é franca.

    :: Programação:
    10h: Na Biblioteca Infantojuvenil Maria Mazzetti (BIMM) - Cordel para crianças – com Cilene Alves de Oliveira
    14h: Na sala de cursos - Mesa-redonda: com Ana Carolina Carvalho de Almeida Nascimento, Gonçalo Ferreira da Silva e Sylvia Regina Bastos Nemer. Mediadora: Ana Ligia Medeiros
    17h: No hall do edifício-sede - Abertura da mostra: Leandro Gomes de Barros: o poeta do sertão


    :: Sobre o homenageado:
    Há cem anos morria um dos maiores poetas brasileiros, Leandro Gomes de Barros (1865-1918). Nascido em Pombal, na Paraíba, e criado em Teixeira - berço dos maiores cantadores do século XIX - fixou-se mais tarde em Recife. Foi um dos poucos poetas a viver exclusivamente da sua arte: escrevia, editava, imprimia, divulgava e comercializava suas criações.
    Leandro viajava constantemente pelo sertão para vender suas obras. Com os ouvidos atentos, recolhia em suas viagens os relatos de acontecimentos e histórias pitorescas que traduziria em versos.

    Calcula-se que escreveu mais de mil obras cuja classificação tornou-se objeto de estudo de muitos pesquisadores, como Câmara Cascudo e Sebastião Nunes Batista. Em 1976, ganhou o título de “Príncipe dos poetas” de Carlos Drummond de Andrade. Os dois primeiros atos do Auto da Compadecida, de Ariano Suassuna, foram inspirados nos folhetos de autoria do poeta: Cachorro dos mortos e A história do cavalo que defecava dinheiro.

    A FCRB é detentora do maior número de folhetos de Leandro. São 460 folhetos, boa parte disponíveis no site Cordel: cultura popular em verso e no Repositório Rui Barbosa de Informações Culturais – RUBI.

    Embora tenha morrido há um século, Leandro continua entre nós. Especialmente no Nordeste, sua poesia continua circulando pois conseguiu como poucos capturar a alma de um povo engenhoso, espirituoso e criativo.
     

    Imprimir
    Voltar ao alto


    Veja também
    > julho
    > Seleção de Bolsistas de 2015
    > Série de Colóquios "Depois de junho: movimentos, impasses e novas instituições”
    > A natureza em discursos: uma questão em debate
    > Concurso de Bolsas de Iniciação Científica 2015
    > Memória & Informação
    > Concurso de Bolsas de Iniciação Científica 2015
    > Música no Museu
    > Exposição “A Abolição e seus registros na vida privada II”
    > Memória & Informação

  • informe
  • |
  • perguntas frequentes
  • |
  • termos de uso
  • |
  • mapa do site
  • |
  • sobre o site
  • |
  • contato
  • |