Em 2007, um grupo de trabalho, integrado por Carlos Fernando Moura Delphim e Sergio Treitler, servidores do IPHAN/RJ, e de Ana Pessoa, Jurema Seckler e Claudia Carvalho, da Fundação Casa de Rui Barbosa, sob a coordenação da paisagista Marcia Nogueira Batista, sistematizou e consolidou o conjunto de critérios e princípios para embasar o primeiro termo de referência do país especificamente concebido para a contratação dos trabalhos de revitalização e de restauração de um jardim histórico.

Contudo, somente em 2012 foram alçadas as condições orçamentárias e técnicas para a realização da licitação segundo a modalidade técnica e preço, para assegurar a contratação da proposta de maior qualidade. Mais uma vez, a comissão de avaliação foi composta por servidores do IPHAN/RJ e da Fundação, com a consultoria da paisagista Márcia Nogueira.

Em 2013, foi entregue o projeto elaborado pela paisagista Patricia Akinaga, vencedor da licitação e atendendo a todas as exigências estabelecidas. O orçamento levantado para a sua realização, de acordo com a legislação em vigor, somou em R$ 4.433.943,00 o custo total da obra, sendo R$ 3.561.400,00 de serviços e produtos e $ 872.543,00 de BDI (24%).