Conservação Preventiva - Museu da Casa de Rui Barbosa 
  • 007_900px
  • 002_900px
  • 008_900px
  • 003_900px
  • 005_900px
  • 001_900px
  • 004_900xp

Drenagem do jardim

Os jardins da Casa possuem uma área de 9.000m², e representam uma tendência paisagística do final do século XIX, não apenas por seu traçado e espécies vegetais presentes, mas também por seus elementos decorativos (como elementos de argamassa estruturada, o quiosque, os lagos e a pérgula de estrutura metálica).

A insuficiência da drenagem pluvial dos jardins do Museu contribuía para a umidade excessiva do terreno, que acabava por agredir as paredes das construções existentes, comprometendo a preservação do conjunto tombado e do acervo histórico e cultural nelas depositado. O diagnóstico dos principais sistemas de infraestrutura apontou a necessidade da reforma completa dos sistemas de drenagem pluvial dos jardins, assim como da rede de esgotamento sanitário. Esta deveria ser redirecionada para a ligação na Rua Assunção, fugindo assim dos incômodos decorrentes do refluxo causado pela ligação à rede da Rua São Clemente.

Os estudos e projetos foram iniciados em 2005, e em 2007 tiveram início as obras que contemplaram os seguintes serviços: implantação de nova rede de drenagem de águas pluviais, com o mesmo traçado da rede existente (incluindo aí as mesmas áreas contribuintes) para evitar a descaracterização da área do jardim. As principais modificações foram os diâmetros das tubulações e as funções das caixas intermediárias, projetadas para reduzir os problemas de assoreamento e evasão da terra das aléias.
Implantação de nova rede de esgotamento sanitário, com aproveitamento parcial do traçado da rede existente e inversão do sentido de escoamento, modificando o ponto de ligação com a rede pública (CEDAE).

Por se tratar de bem patrimonial, a intervenção foi precedida de uma pesquisa arqueológica seguindo as exigências previstas pela Lei Federal 3.924/61 e pela Portaria IPHAN 07/88. A pesquisa arqueológica realizada buscou identificar a possível sucessão de diferentes morfologias do jardim durante toda sua existência, em associação aos diferentes momentos de ocupação da casa, assim como a demarcação do percurso de adutora de água instalada no terreno da casa, com verificação do seu estado de conservação.